Pacote de jujubas


Em matéria do que chamam de amor, me sinto como quando compro jujubas. Eu abro o pacotinho e tiro uma para por na boca, mas nunca sei a cor que virá, a menos que eu tire a mão do pacote, escolha a cor e comece a procurar lá dentro. Sim, falo desses sentimentalismos banais e é assim que me sinto.

Já fui dessas que escolhem a cor das jujubas. Sempre queria as mais coloridas e no fim acabava escolhendo sempre as mesmas cores. Ficava sempre com o mesmo gosto na boca, gosto esse que na maioria das vezes não era tão doce quanto eu esperava. Por isso cansei.

Sim, cansei. Cansei de procurar sempre pelos mesmos gostos, cansei de viver tudo sempre tão igual, cansei do roteiro quase imutável e muito pouco flexível da minha escolha de jujubas. Resolvi que queria da vida o inesperado e vem dando muito certo, pelo menos até agora.

O problema, é que agora vivo um daqueles momentos em que busco uma nova jujuba. Sem nenhuma pista do que virá, na expectativa de que seja a mais doce de todas as jujubas. Porque eu simplesmente não sei o que esperar. Não tenho pistas, nenhuma pista. Não há nada, absolutamente nada.

É, é assim que me sinto. O amor é, decididamente, um pacote de jujubas e eu, sinceramente, não ligo mais para as cores, cansei de aparências. Só espero que destino me traga a mais doce de todas as jujubas.


05 de março de 2009

Postagens mais visitadas deste blog

Eu preciso de...

Souvenir

Sobre o amor libertário